Rádio Resistência

Notícias

11/10/2017

Aumento do trabalho informal enfraquece previdência e assistência social

“Os dados só comprovam a denúncia que a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) vem fazendo de que as reformas têm como um dos seus objetivos desmantelar a Previdência Social e condená-la à privatização”, alertou o presidente da CTB, Adilson Araújo, ao avaliar o impacto do aumento do trabalho informal apresentados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do IBGE.

O dirigente destaca que “a Reforma Trabalhista irá minar a Previdência asfixiando suas fontes de sustentação e impactando, negativamente, a saúde e a sobrevivência de cerca de 4 mil municípios”.

O aumento do trabalho informal acende alertas de especialistas quanto à sustentabilidade do regime. O número de pessoas que vive fora do mercado formal cresceu 2,6% nos últimos dois anos e a taxa de informalidade é hoje a mais alta já registrada pela série histórica da Pnad, do IBGE, desde 2012.

Informações publicadas no Uol da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda apontam que 72,5% da população ocupada com idade de 16 a 59 anos está socialmente protegida pela previdência.

Já grande parte dos desprotegidos, com capacidade contributiva, está no mercado informal, principalmente em áreas como a construção civil e serviços. Esses são dados baseados na Pnad de 2015.

A pesquisa também alerta que a assistência social pode ser mais afetada, pois com o avanço da precarização os trabalhadores e trabalhadoras informais de baixa renda poderão se enquadrar nos requisitos do Benefício de Prestação Continuada (BPC), que não exige contribuição ao longo da vida. Junto com as rendas mensais vitalícias, esse benefício social representou 0,8% do PIB em 2016.

De modo geral, idosos com mais de 65 anos ou pessoas com deficiência podem ter acesso a um salário mínimo, caso a renda por pessoa do grupo familiar seja menor do que 1/4 do salário mínimo vigente.

Joanne Mota - Portal CTB