Rádio Resistência

Notícias

07/12/2017

Bradesco maltrata clientes e funcionários

Em especial, nos dias de pagamento de beneficiários do INSS, as agências do Bradesco em Aracaju ficam superlotadas. Desde o final do mês passado até esta quinta-feira (7), período de pagamento do INSS, o cenário foi de longas filas, calor insuportável e muita reclamação por parte de clientes e usuários do banco. Os funcionários tiveram de fazer hora-extra para atender a demanda. As agências (Central-José de Faro e General Valadão) funcionam com uma bateria de quatro caixas que não têm como atender o fluxo.   

A Diretoria do Sindicato dos Bancários de Sergipe (SEEB/SE) visitou as agências e está denunciando a situação de desconforto e desrespeito aos clientes e beneficiários e a precarização do trabalho dos bancários e bancárias.  

Ao todo, na capital sergipana, o Bradesco tem sete agências (Francisco Porto, Jardins, Hipper Bom Preço, José de Faro, General Valadão, Pacatuba e Siqueira Campos). Este ano, o banco reduziu os serviços bancários nas cidades de Barra dos Coqueiros e Santo Amaro das Brotas. Nessas localidades, as agências foram transformadas em ponto de atendimento (PA).   

“O Bradesco está maltratando tanto clientes quanto os funcionários do banco. O que está acontecendo sequer justifica, porque estamos falando do segundo maior banco privado do Brasil, com um lucro fabuloso. O Procon Municipal e o Ministério Público precisam obrigar o Bradesco a cumprir com a Lei dos 15 minutos, respeitar sua clientela e ampliar o número de funcionários”, afirma a presidenta do SEEB/SE, Ivânia Pereira.

Ascom SEEB/SE