Rádio Resistência

Notícias

08/05/2018

Antônio Soares: “teremos de ficar atentos à ‘reforma da previdência”

O tema “A defesa da Previdência Social” no Encontro de Bancários e Bancárias de Sergipe, realizado no último dia 5, foi abordado pelo representante do Escritório Fernandes Advogados, Antônio Soares. Para o advogado, o posicionamento político dos trabalhadores na escolha de parlamentares nas eleições de 2018 será fundamental para barrar a chamada ‘Reforma’ da Previdência.  

“Hoje, com a perda de direitos, constantes, principalmente após a denominada ‘reforma’ trabalhista, o trabalhador precisa ficar atento também com a ‘Reforma’ da Previdência. Tivemos uma vitória muito importante, com a suspenção da discussão. Mas, sabemos que a partir do próximo ano, esse debate irá retornar. (...) o posicionamento político que o cidadão tomará na escolha de parlamentares vai impactar diretamente. Esses parlamentares poderão fazer uma opção por uma reforma que traga ainda mais restrições aos direitos dos trabalhadores”, alerta o advogado.

De acordo com o advogado, "como é concebida hoje, a Previdência Social tem um papel social importante no dia a dia dos trabalhadores, porque ela é quem garante que em uma eventualidade, em um acidente, em caso de doença profissional e outras doenças graves, ele vai ficar com seu rendimento resguardado, minimamente. Por isso é importante a participação em eventos como esse do Sindicato dos Bancários para conscientizar a população e os trabalhadores da necessidade do seu engajamento para buscar pelo menos espaço para discutir elementos importantes do seu dia a dia. Precisamos manter essa concepção da Previdência Social e nos conscientizarmos do papel social que tem a Previdência da forma que ela está hoje. Muitos municípios brasileiros dependem dos recursos da Previdência para manter o trabalhador no campo, para dinamizar sua economia, para evitar miséria e evitar a exclusão social. E a exclusão social é talvez um dos grandes males em qualquer estado democrático, porque impede o acesso a condição mínima de vida e de saúde. Inevitavelmente, o Brasil precisará se aperfeiçoar muito nesse tema. Mas, não é restringindo os diretos trabalhistas e previdenciários que vamos mudar esse panorama", defende. Veja e escute no face e na rádio Resistência a palestra de Antônio Soares.  

Por Déa Jacobina. Ascom SEEB/SE