Rádio Resistência

Notícias

17/09/2019

Sindicatos e centrais pedem ao senador Alessandro para votar contra a PEC 06

Lideranças de sindicatos e centrais sindicais visitaram o senador da bancada sergipana, Alessandro Vieira (Rede). Os sindicalistas solicitaram ao senador voto contrário à Proposta de Emenda Constitucional (PEC 06/2019), da Reforma da Previdência. Depois de aprovada na Câmara dos Deputados, a PEC 06/19 tramita no Senado Federal, cujo relator é Tasso Jereissati (PSDB/CE). Em Sergipe, as lideranças também já conversaram sobre o mesmo assunto com o senador Rogério Carvalho (PT). 

Por quase duas horas, os sindicalistas argumentaram ao senador Alessandro que a reforma da Previdência que o governo de Bolsonaro tenta impor prejudicará a maioria da população e que ao mesmo tempo mantém os privilégios para setores da elite brasileira.

O senador diz ser a favor da Reforma Previdenciária, porém considera que a PEC 06/19 tem alguns equívocos, como o regime de transição, o qual segundo ele tentará alterar na própria PEC ou na PEC Paralela. Dos 81 senadores, Alessandro Vieira acredita que o governo tem votos suficientes para aprovar o texto original da PEC 6/2019. Os trabalhadores insistiram que nada da reforma beneficia os trabalhadores, por isso deve ser rejeitada em seu todo.

Na reunião com o senador, estavam os representantes da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Adêniton Santana; do Sindicato do Fisco de Sergipe (presidente e os diretores Administrativo e Intersindical, respectivamente, Paulo Pedroza, Zé Antônio dos Santos e Ivan Oliveira); da ConLutas, Elinos Sabino; do Sintrase, Diego Araújo e do Sinter, Neviton Santos.  Os auditores entregaram ao senador o documento da Reforma Tributária Solidária, que traz as premissas da proposta elabora pela Fenafisco e Anfip, como subsídio para a construção de justiça social para a tributação brasileira.

O movimento sindical vem unindo forças, tanto na mobilização da população quanto na tentativa de diálogo com os representantes eleitos pela população, que tem poder de decisão e voto para definir o futuro da aposentadoria de todos os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil.