Rádio Resistência

Notícias

21/05/2020

Banco do Brasil expõe ao risco a saúde e a vida dos bancários e bancárias na antecipação de feriado

O Sindicato dos Bancários de Sergipe (SEEB/SE) cobra da direção do Banco do Brasil (BB) o respeito ao decreto ao Projeto de Lei Ordinária nº 112/2020, que antecipa o feriado do dia 8 de julho (Emancipação Política de Sergipe), para a próxima sexta-feira, 22. O não atendimento ao decreto estadual aumentará a sobrecarga de trabalho e a possibilidade de contaminação por coronavírus.

O Banco do Brasil de forma intransigente ignora a medida aprovada pela Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) através do Projeto de Lei Ordinária nº 112/2020 que tem como finalidade contribuir para barrar a curva de contaminações e mortes por coronavírus. Com esta decisão, o banco expõe ao risco a saúde e a vida dos seus trabalhadores em detrimento do lucro.

Diante da decisão, o SEEB/SE solicitou uma reunião com o superintendente Regional do Banco do Brasil em Sergipe e Alagoas, para discutir o assunto e encontrarmos uma solução."O banco está se limitando a pagar uma folga para quem trabalhar seis horas. O Acordo Coletivo de Trabalho dos funcionários do Banco do Brasil garante dois abonos para quem trabalhar acima de seis horas. Contudo, a orientação do banco é trabalhar seis horas. Nós não aceitamos isso. É uma demonstração evidente da não valorização de seus funcionários. Os bancários que estão trabalhando expostos, na linha de frente são verdadeiros heróis e estão estressados e sobrecarregados diante de toda a situação que envolve a pandemia, sem contar os riscos de se contaminarem e seus famíliares”, afirma a presidenta do SEEB/SE,  Ivânia Pereira.

Ainda segundo Ivânia Pereira, "a intransigência e ao desrespeito do Banco do Brasil com os seus funcionários soma-se a não observância do governo do Estado e da ALESE em anteciparem um feriado, sem obrigar os bancos a aderirem à medida. Se os bancos abrirem muitos decidirão resolver assuntos bancários neste dia, contribuíndo para as aglomerações e os riscos de contágio nas agências desrespeitando o isolamento social burlando assim a finalidade da medida".