Rádio Resistência

Notícias

24/10/2020

Viva o Dia da Sergipanidade, 24 de outubro

Viva a Sergipanidade

Foto: Painel do artista sergipano Edidelson Silva

O Dia da Sergipanidade, 24 de outubro, é uma data para relembrar a história de resistência e enaltecer o sentimento, a coragem dos sergipanos e sergipanas na reafirmação dos seus interesses e projetos mais coletivos. E nesse sentido, o Sindicato dos Bancários de Sergipe (SEEB/SE) festeja a importante data com todos os sergipanos e sergipanas. A Diretoria do SEEBSE acredita que as tradições culturais, o jeito de ser sergipan@, ao lado do espírito de resistência à brutalidade dos governos oligárquicos e aos projetos neoliberais, Sergipe segue em frente na busca de sociedade mais justa e de desenvolvimento econômico e social que atenda às necessidades dos cidadãos e cidadãs.

Saiba Mais

Por todo o século XX, a Independência de Sergipe era comemorada em duas datas, no dia 8 de julho e no dia 24 de outubro. O feriado da emancipação foi instituído no 8 de julho, e o dia 24 de outubro ficou definido como o Dia de Sergipe ou Dia da Sergipanidade, dia para comemorar ‘o jeito de ser sergipano’, os valores da grandeza das manifestações culturais e patrimonial.

Apesar de historicamente a data se confundir com o 8 de julho de 1820 (data da Carta Régia que desanexou o território sergipano da Bahia), foi no dia 24 de outubro de 1824 que o documento chegou a Sergipe e só assim a sociedade sergipana pôde comemorar, de fato, a independência de sua província.

Emenda Constitucional

No ano 2000, a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa (AL) alterou o artigo 47 da Constituição Estadual em que era estabelecido que a Emancipação Política do Estado fosse comemorada duas vezes ao ano: 8 de julho e 24 de outubro. Através da Emenda Constitucional, apenas o 8 de julho ficou como data oficial de celebração. A decisão vigorou, pois a AL concluiu que a data que deveria permanecer seria o dia em que D. João VI assinou o decreto de emancipação.

De acordo com historiadores, foi no governo do brigadeiro Manoel Fernandes da Silveira que Sergipe se emancipou. Desde a data de promulgação do decreto de emancipação, até efetivamente Sergipe chegar até sua independência, foram quatro anos de enfrentamento entre os partidários.

O jornalista e historiador Luis Antônio Barreto contava que o progresso chega a Sergipe logo após sua emancipação. Com a emancipação, as vilas cresceram, surgiram as cidades e rapidamente o progresso deu a Sergipe uma nova condição. O dia 24 de outubro passava, por volta de 1836, a ser a data maior da afirmação da liberdade dos sergipanos. Durante o Império, o 24 de outubro passou a ser, também, celebrado pelo povo com seus grupos folclóricos, como atestam os registros dos jornais”, explanava Luis Antônio Barreto, em um de seus artigos publicados no Portal Infonet.