Rádio Resistência

Notícias

03/03/2021

SEEB/SE reforça calendário de luta contra o desmonte do BB

#BBoBancoDeTodos, todas as quintas-feiras têm tuitaços!  

"Nessa luta, vamos precisar contar com o maior engajamento dos colegas do BB ”, afirma Ivânia Pereira

Este mês, continua de pé a mobilização nacional contra a chamada reestruturação em curso no Banco do Brasil. No Estado de Sergipe, a presidenta do Sindicato dos Bancários de Sergipe (SEEB/SE), Ivânia Pereira ressalta a importância de a categoria manter a unidade e ampliar ainda mais a participação no calendário de ações. O SEEB/SE tem tido reuniões regulares com o Comando Nacion@l dos Bancári@s, a Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB) e a Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe (Feebasse).

 “Assembleias, paralisações, reuniões e plenárias virtuais com a categoria e com câmaras de vereadores, lives, tuitaços e atos têm sido realizados desde o anúncio da chamada reestruturação do BB. O nosso objetivo tem sido o de mobilizar os funcionários e funcionárias contra a estratégia de desmonte do BB por parte do governo federal e conscientizar a sociedade sobre a importância do BB para o desenvolvimento do país e o contato com parlamentares para evitar o fechamento de agências e a aprovação do projeto que facilita a privatização do banco. Nessa luta, vamos precisar contar com o maior engajamento dos colegas do BB ”, afirma Ivânia Pereira.

Das atividades regulares, todas as quintas-feiras do mês de março terão os tuitaços, com o mote sintetizado na “hashtag” #BBoBancoDeTodos.

 

*Vitória: Liminar na Justiça*

Além das mobilizações, o Sindicato dos Bancários de Sergipe conseguiu medida judicial (liminar) conquistando uma importante vitória por meio de Ação Civil Púbica, que impede a retirada de gratificação de bancários e bancárias por parte do Banco do Brasil. A liminar exige que o BB “se abstenha de suprimir a gratificação do cargo de Caixa Executivo, daqueles substituídos que perceberam gratificação por 10 anos antes de 11/11/2017 (vigência da Lei 13.467/2017), bem como se abstenha de suprimir a gratificação de qualquer Cargo de Confiança daqueles substituídos que perceberam gratificação por 10 anos antes da referida data, ou, caso tenha ocorrido a supressão salarial, seja determinado o imediato restabelecimento da referida verba nos mesmos parâmetros e condições anteriores à supressão, mantendo-se o pagamento até o julgamento final do processo”.

A tentativa de rebaixamento salarial dos bancários e bancárias faz parte do plano de perseguição e desmonte do Banco do Brasil promovido pelo governo federal, que pretende prejudicar com isso a população mais carente atendida por esse banco que presta função pública de alta relevância para o nosso país.

Nacionalmente, além dos debates já realizados pelas entidades. O CEBB manterá atuação diretamente com parlamentares, particularmente os deputados federais, em decorrência da apresentação do Projeto de Lei 461/21, de autoria do deputado federal Kim Kataguiri – DEM/SP, que propõe a possibilidade de privatização do Banco do Brasil, passando a figurar no escopo do Programa Nacional de Desestatização.

 

Saiba mais

Logo nos primeiros dias de 2021, a direção do BB anunciou que pretende demitir 5 mil funcionários e fechar 112 agências, 242 postos de atendimento e 7 escritórios de trabalho do banco. A população será extremamente prejudicada pelas medidas, pois terá que percorrer longas distâncias para conseguir atendimento presencial em agências lotadas pelo acúmulo de clientes e a falta de bancários.

O banco também ataca os direitos dos funcionários com a tentativa de descomissionamento dos caixas. A medida só não está em vigor, devido a uma liminar conseguida pelas entidades representativas dos bancários e bancárias, que proíbe a retirada da gratificação de caixa e a incorporação da mesma para os trabalhadores que exercem a função a mais de 10 anos.

Só a mobilização da categoria poderá evitar o desmonte do BB e a perda do seu papel social.